À medida que os norte-americanos ingressam cada vez mais no florescente mundo dos blogs, as empresas onde trabalham começam a receber alertas de que podem enfrentar riscos legais caso permitam que seus empregados fiquem muito soltos na Internet. 

Os blogs estão atraindo a atenção de grandes empresas que procuram maneiras de se conectar com os consumidores. A Sun Microsystems, a Microsoft e a General Motors aprovaram oficialmente diversos blogs nos quais seus funcionários escrevem sobre produtos e estratégia.

Mas os advogados vêem possíveis percalços judiciais para as empresas interessadas em participar dessa mania. O que, por exemplo, aconteceria se uma empresa cujas ações são negociadas em bolsa revelasse inadvertidamente informações financeiras confidenciais, ou um segredo empresarial, em um desses diários na Web? Já houve casos de pessoas demitidas por escreverem sobre a vida em suas empresas em blogs não afiliados aos seus empregadores. Os especialistas dizem que o verdadeiro teste vai surgir quando os tribunais tiverem de considerar as ramificações legais daquilo que funcionários escrevem em blogs empresariais.

"No momento, os precedentes são muito escassos", disse Paul Arne, co-diretor do grupo de tecnologia no escritório de advocacia Morris Manning & Martin. Ele recentemente conduziu um seminário telefônico para que outros advogados de grandes empresas pudessem discutir a questão dos blogs.

Não é surpresa que as grandes empresas estão cada vez mais interessadas em blogs. As estimativas indicam que cerca de 40 mil a 50 mil novos blogs sejam criados a cada dia, de acordo com a Intelliseek, uma empresa de tecnologia que acompanha os desdobramentos da nova mídia.

Na Sun Microsystems, cerca de 2 mil funcionários mantêm blogs, entre os quais o presidente e vice-presidente de operações Jonathan Schwartz. As colunas de Schwartz para a Web tratam de toda espécie de tema, de maneiras para que as empresas mantenham seus clientes satisfeitos aos seus cinco minutos de fama quando foi mencionado no programa de David Letterman, em uma lista de "10 sinais de que seu filho está passando tempo demais na Internet".

Em um sinal de possíveis problemas legais, Schwartz abandonou a prática de colocar uma nota em seu blog sobre o Dia da Mentira. Ele escreveu a seus leitores que seria difícil publicar algo sem "sérias contestações da equipe legal" da companhia. A Sun foi uma das primeiras empresas a publicarem uma política sobre blogs para seus funcionários. Empregados são lembrados pela empresa que falar sobre previsão de receita ou preço de ações em blogs da companhia pode "colocar você, ou a empresa, ou ambos, em problemas legais".

Os blogueiros da Sun também recebem alertas para protegerem segredos da companhia. "Usar seu blog para envergonhar a empresa, nossos clientes ou colegas de trabalho, não é somente perigoso como também é estúpido."

Casos de problemas envolvendo empresas, funcionários e blogs já foram registrados nos Estados Unidos. Em um caso, uma aeromoça da Delta Air Lines foi suspensa e depois demitida por ter publicado fotos dela usando o uniforme da companhia em um blog pessoal. Ela abriu um processo por discriminação sexual, alegando que a Delta não demitiu homens que tiveram conduta semelhante.

Um programador do Google foi demitido em janeiro depois de comentar em seu blog pessoal detalhes sobre os trabalhos da empresa de busca. Mara Levin, uma advogada do escritório Herrick Feinstein, informou que tem estado ocupada ajudando empresas a atualizarem seus manuais de operação para funcionários incluindo políticas sobre blogs.

"Elas estão pedindo diretrizes claras para assegurarem que não estão expostas a responsabilidades legais", disse a advogada. Algumas empresas também "estão querendo saber se um funcionário tem blog antes de contratá-lo. Você pode aprender muito sobre uma pessoa lendo seu blog."

Fonte: Reuters