Após ler as revistas que comentei no dia 13 (Isto É, Época e Veja) e avaliar algumas opiniões, resolvi votar NÃO.

Parte de meu pensamento eu optei por copiar a escrita de alguns blogs que visitei para evitar ter que redigitar tudo .

Veja abaixo os meus motivos:

  1. Não se trata de desarmamento. Esse é o primeiro grande MITO que existe sobre o referendo. O que está sendo proposto não é o desarmamento. A pergunta é: "O comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido no Brasil?". Essa pergunta, por sí só é escrota. Em entrevista a Veja, José Paulo Hernandes, diretor de pesquisa da Gallup Organization é perfeito. "Como profissional de uma empresa de pesquisas de mercado, Hernandes tem de se preocupar em fazer perguntas que não provoquem respostas distorcidas do público pesquisado. Uma das regras é que a questão não pode ter palavras com conteúdo emocional forte. Ao juntar "armas" e "proibição", os autores do referendo cometem esse deslize. Como o brasileiro está acostumado a relacionar armas com a criminalidade que assola o país, sua tendência natural é dizer sim à proibição, sem questionar se a medida serve para reduzir a violência. "


  2. O Brasil tem mania de querer resolver os problemas começando pelo fim. O problema todo está na raiz chamada EDUCAÇÃO. Tentar resolver a questão das armas para redução de mal uso das mesmas é uma questão educacional. Em vez de resolver o problema, fingi-se que ele não existe. "Em 1998, para combater o desmatamento na Amazônia, que repercutia negativamente no mundo, em vez de fiscalizar e reprimir as madeireiras ilegais, o governo instituiu o registro das motosseras, que foram equiparadas às armas de fogo. O governo colocou o país para dormir tranqüilo com a medida. Resultado: nos cinco anos seguintes, desmatou-se na região o equivalente a três Bélgicas. No lugar das motosserras, proibidas, os desmatadores passaram a usar tratores em sua faina destrutiva."


  3. Não é fácil comprar uma arma, ter uma arma registrada. É preciso ter mais de 25 anos, fazer exame psicotécnico, ter residência comprovada, não ter antecedentes criminais, etc. Só se pode comprar munição para o tipo de arma que existe registro. E só pra lembrar, arma só na residência, ninguém pode andar armado por aí. E o registro pode ser cassado a qualquer tempo. Já os criminosos nunca compraram e nunca vão comprar armas legalmente.


  4. O interesse da Rede Globo em defender o SIM, me incomoda. Isso sem falar na mentira deslavada divulgada pelo O Globo em sua edição de 4 de Outubro. Clique aqui e leia o comentário do Filósofo Olavo de Carvalho para o Jornal do Brasil. Esse dias, recebi um e-mail que garante ter o motivo da Rede Globo ter interesse no SIM. Comentava sobre uma grande empresa de segurança que estaria no Brasil com apoio da Rede Globo. Mas não acho que isso seja verdade.


  5. Um dos argumentos usados pelo SIM, é que existem muitas mortes acidentais, como brigas no trânsito. Só que desde 2003 o porte de arma está proibido no país, nenhuma pessoa pode andar armada por aí mesmo tendo arma registrada, exceto policiais e militares. O registro de arma é para o sujeito tê-la dentro da residência. Portanto, este argumento é mais um que não se sustenta.


  6. O país em que vivemos não tem moral para garantia NADA que o SIM alega estar no estatuto. Exemplos: Existe um item nele que garante que pessoas que comprovem a sua necessidade (como pessoas ameaçadas de morte) poderão ter sua arma. Mas então eu pergunto. Quanto tempo alguém que está ameaçado de morte pode esperar pela decisão da justiça em permitir o porte de arma e essa pessoa?


  7. Dando continuidade ao item 6, é lei que os estabelecimentos comerciais não podem vender bebidas alcoólicas em período de votação. No entanto, ao lado do lugar que votei existe um posto ao lado que estava vendendo normalmente. Em outra situação, precisou demorar 9 anos para o taxista Florisvaldo Oliveira de Freitas ser condenado pela morte do estudante Augusto César Soares Dourado, aqui em Salvador.


  8. Eu não gosto de armas e não pretendo comprar nenhuma. Mas há pessoas que desejam ter, e por motivos variados. E neste caso não importa a minha opinião ou a sua, algumas pessoas se impossibilitadas de adiquirirem uma arma de forma legal, vão buscar o comércio ilegal, e assim fortalecer ainda mais as redes de contrabando de armas. Em caso de vitória do "Sim" o comércio de armas vai continuar acontecendo… e clandestinamente e sem controle.


  9. Levando a conversa para uma questão mais profunda, a História mostra que desarmar a cidadania é próprio dos tiranos. Hitler, Stalin, Castro, Pol Pot, etc, desarmaram o povo para liquidar a oposição e suprimir as liberdades públicas. O desarme do povo alemão gerou o Holocausto. As ditaduras -Vietnã, Cuba, Albania, – proíbem até armas de brinquedo (como no Brasil) e o povo é escravizado, enquanto nas democracias – Suíça, Estados Unidos, Israel – a defesa armada é livre, a cidadania plena e há menos crime.


Se você ainda não foi votar, ainda dá tempo de pensar melhor. Hoje de manhã foi que cheguei a minha decisão final.

 

Postado via I.E com Frontpage 2002.

 

[]´s